Para o homem que ri...

...e também chora, ora.

segunda-feira, outubro 17, 2005

Quando se pára
Na estiagem do amor
Não há tempestade
Que nos floresça

Tem um sorriso
Que me livra da dor
Faz compreender
Eu ainda sei rir

Mas existe esse medo
Me deixando acuado
E eu só sei fazer
é me pôr a chorar

Lágrimas assim
Não secam no Sol
E nunca apagam
A chama de amar

2 Comments:

  • At 9:39 AM, Anonymous Anônimo said…

    Não se acue... Siga em frente!

    Não embaça!

    :)

     
  • At 12:02 AM, Anonymous úrsula said…

    adorei!!!
    simplesmente tao simples qt a simplicidade do que nao é complicado: é simples..

     

Postar um comentário

<< Home